A montanha mágica

quinta-feira, janeiro 14, 2010

If you ever go to Houston (21)

LMD, colagem sobre
Spatial Concept `Waiting', 1960, de Lucio Fontana,

Nem de propósito, um destes dias veio à conversa se devíamos ou não listar sites e, ainda mais pormenorizadamente, autores de sites, de jornais, de revistas, por aí fora. Na vida, na escola e fora dela.

Com tanta informação disponível a questão é também essa: saber organizar e ter favoritos suficientes, bons, muitos bons e excelentes, e fomentar e proporcionar. Assim de repente (em quinze minutos mais concretamente, que é o que tenho agora) julgo que a quase todos nós já nos passou isso pela cabeça: a qualidade das nossas fontes, das mais diversas. E quais os critérios que levam a definir essa qualidade.

Quase simples, portanto.

Mas quando a conversa mete net a universidade mais conservadora e conservadora e em geral torce o nariz, agita as pernas, franze as sobrancelhas, incha, fica vermelha e dispara, porque, enfim, a ciência é ciência e para lhe causar uma revolução, Kuhn, quase ainda não pode vir de um sítio que não passa de um sítio muito cosmopolita e hedonístico.

Há dias linquei aqui uma conversa com Umberto Eco, acerca de listas, e a dada altura:

"SPIEGEL: But you also said that lists can establish order. So, do both order and anarchy apply? That would make the Internet, and the lists that the search engine Google creates, prefect for you.

Eco: Yes, in the case of Google, both things do converge. Google makes a list, but the minute I look at my Google-generated list, it has already changed. These lists can be dangerous -- not for old people like me, who have acquired their knowledge in another way, but for young people, for whom Google is a tragedy. Schools ought to teach the high art of how to be discriminating.

SPIEGEL: Are you saying that teachers should instruct students on the difference between good and bad? If so, how should they do that?

Eco: Education should return to the way it was in the workshops of the Renaissance. There, the masters may not necessarily have been able to explain to their students why a painting was good in theoretical terms, but they did so in more practical ways. Look, this is what your finger can look like, and this is what it has to look like. Look, this is a good mixing of colors. The same approach should be used in school when dealing with the Internet. The teacher should say: "Choose any old subject, whether it be German history or the life of ants. Search 25 different Web pages and, by comparing them, try to figure out which one has good information." If 10 pages describe the same thing, it can be a sign that the information printed there is correct. But it can also be a sign that some sites merely copied the others' mistakes."

Entre o bem e o mal... calma, certo, mas entre este e aquele autor, e entre este e aquele livro ou artigo, e entre este e aquele site.

A questão, sempre, entre o bem e o mal, mas...

No passado ano lectivo um grupo de alunos do 12º ano em tom de desafio pediu-me para lhes sugerir um filme para mostrar a três turmas de 12º ano. Indiquei-lhes Young Mr. Lincoln, de John Ford. Uma sala cheia, um filme a preto e branco, de 1939, e não se ouvia uma mosca, ainda que em Junho. No fim só sorrisos e John Ford em ombros pela porta fora.

Este ano, numa das turmas mostramos, um destes dias, o filme Young Mr. Lincoln, de John Ford. Andamos há quinze dias em conversas e discussões sobre algumas das cenas dos filmes, das suas personagens e das suas atitudes. Grande tem sido o entusiasmo. Hoje uma das alunas mostrou-me o filme acabadinho de comprar.
John Ford saiu em ombros e ao som de cânticos.

Lá está, Eco, a internet também. Há dias uma pergunta levou-me a este post, este este:

Is Google Good for History?

"Even the harshest critic here of Google's historic book digitization project confessed to using it for his research and making valuable finds with the tool.

Dan Cohen, director of the Center for History and New Media, at George Mason University: Of course it is," he said. "We historians are searchers and sifters of evidence. Google is probably the most powerful tool in human history for doing just that. It has constructed a deceptively simple way to scan billions of documents instantaneously, and it has spent hundreds of millions of dollars of its own money to allow us to read millions of books in our pajamas. Good? How about great?"

He reported that he regularly has students "discover new topics to study and write about through searches on Google Books."

The vastness of the Google project will fight the "widespread problem of anecdotal history," in which scholars lack the points of comparison to determine the real significance of an event, text or person. "As more documents are scanned and go online, many works of historical scholarship will be exposed as flimsy and haphazard," Cohen said "The existence of modern search technology should push us to improve historical research. It should tell us that our analog, necessarily partial methods have had hidden from us the potential of taking a more comprehensive view."

Generally, Cohen said, academics are too quick to attack Google or any large corporation. Historians "can find fault with virtually anything," he said, and "this disposition is unsurprisingly exacerbated when a large company, consisting mostly of better-paid graduates from the other side of campus, muscles into our turf." Cohen said that "had Google spent hundreds of millions of dollars to build the Widener Library at Harvard, surely we would have complained about all those steps up to the front entrance."

Paul Duguid, adjunct professor at the School of Information at the University of California at Berkeley and a professorial research fellow at the University of London, argued that in fact it's difficult to criticize Google or its various projects without being accused of being a Luddite or otherwise old-fashioned.

Duguid argued that the incorrect misclassification of work is too widespread not to be treated as a huge flaw. He note that when the Google Books Blog recently boasted about new tools to use illustrations for new book covers, he found errors in the books used as examples. For instance, he said that Studies of American Fungi had been classified as a cooking book. And he talked about how Google had once located King Lear in upstate New York (due to the Duke of Albany), and that Google had given Duguid credit for writing a book that appeared in 1879.

Once, when he published an essay critical of Google, Duguid said, a scholar wrote to him that he loved Google digitization because he didn't need to go to the library anymore. Duguid called that tragic, and said if that is the argument being used by scholars (and some librarians) to defend digitization, they should be ashamed. (Generally, he said librarians have been too quick to embrace Google.)

Brandon Badger, project manager for Google Books, said that the scholars need not worry. He said that there is "passion" for book digitization throughout the company.

When one historian talked about how easy the Web makes digital piracy, Badger said he saw Google Books creating the means to sell serious books to far more people in digital versions. He compared the idea to iTunes, in which the availability of music you can purchase in an instant created an alternative to downloading pirated versions.

On the topic of errors, Badger said Google was committed to improvements that would speed corrections. He said that he envisioned a system down the road where, if two scholars point out an error, it would be automatically corrected. But he also said that some errors (such as photos of the hands of those scanning books) were inevitable and were a cost of moving ahead on the project. Holding up a book he read on his flight to the conference, he said that Google could focus entirely on making perfect scans of every page of every book, with classifications that couldn't be disputed and perfect images without anyone's hands visible. But he said it would take 100 years "and we'd all be dead."

The book that Badger held up was later cited in the question period as an example of the culture clash between Google and academe. Google is in fact proud of a non-corporate culture, and Badger was the least formally dressed person on the panel. But although Badger could have passed for a graduate student, the book he held up -- tips on golf -- wasn't what an aspiring grad student would have read on a flight where future department colleagues might spot him.

The professor who cited the book said that when Badger held it up, "you could hear people's eyes roll." And the professor expressed fear that Google and academics might not be engaged in the conversation they need because of a culture clash. He asked Badger whether Google ever considers hiring academics or people who think like academics to handle such discussions and to contribute to the creation of projects.

Badger said that in fact he viewed the historians in the audience as "power users" and came to meetings such as this to learn from them. He said that Google doesn't want to produce products only for "geeky engineers." Badger joked that he would post something on Craigslist right away to seek out more academic advice. The professor, noting the culture clash once again, suggested H-NET might be a better place to seek advice from academics than would be Craigslist. "

Claro que sim, com todos os cuidados que se tem noutros meios, um exemplo que ainda não vi li nos jornais portugueses:

Los cuatro paños flamencos son extraordinarios por varias razones: su época de elaboración -el último cuarto del siglo XV-, sus dimensiones -cada uno de 11 metros de largo y cuatro de alto- y el detalle con el que narran hechos contemporáneos, con estilo casi periodístico.

Los tapices reflejan varias etapas en la toma de las ciudades norteafricanas de Arzila y Tánger por el monarca portugués Alfonso V (1432-1481), y proporcionan valiosa información sobre los uniformes y las armas de los portugueses en la época.

Lá está a internet, a História através da internet, quando as pessoas ainda diziam e dizem, por exemplo nos programas de informação das oito da noite, lá na internet, como se fosse um sítio estranho e muito muito perigoso. "Mete à internet e vê o que dá".

Essa internet que nos vai mudando, moldando:

A pergunta de 2010 é, literalmente: “Como está a Internet a mudar a maneira como você pensa?”

"Eles respondem: que a Internet os (nos) tornou mais espertos, menos profundos, mais rápidos, menos focados, mais acelerados, menos criativos, mais tácteis, menos visuais, mais altruístas, menos arrogantes. Que expandiu radicalmente a nossa memória, mas fez de nós, ao mesmo tempo, reféns do presente. A grande teia surge
equiparada a um ecossistema, um cérebro colectivo, uma memória universal, uma consciência global, um mapa total da geografi a e da história.

Até ao fecho desta edição, tinham respondido ao desafi o 121 fi lósofos, cientistas, médicos, engenheiros, escritores, artistas, jornalistas.

Kevin Kelly, Fundador da revista Wired: Tornei-me mais “esperto” em factos, mas o meu saber é hoje mais frágil. Tudo o que aprendo é sujeito a erosão. As minhas certezas sobre seja o que for diminuíram, isto é, em geral, parto cada vez mais do princípio que aquilo que sei está errado. A Internet também esbateu a diferença entre o meu pensamento sério e o meu pensamento lúdico. Penso que a conjugação de jogo e trabalho, de pensar a sério e pensar a brincar, é um dos mais fantásticos efeitos da Internet.

Stephen Kosslyn, Psicólogo, Universidade de Harvard: A Internet estendeu a minha
memória, a minha percepção, os meus juízos de valor. Estes efeitos tornaram-se ainda mais notáveis desde que tenho um smart phone. Hoje, uso-o regularmente para verificar factos, ver vídeos, ler blogues. O inconveniente é que dantes tinha tempos mortos durante os quais deixava vaguear a minha mente e de onde podiam surgir pensamentos ou ideias inesperadas. Esses intervalos tornaram-se menos frequentes. Mas acho que é um pequeno preço a pagar: hoje, penso melhor do que antes de ter integrado a Internet nos meus processos mentais e emocionais.

James O’Donnell, Classicista, Universidade de Georgetown: Os meus dedos passaram a fazer parte do meu cérebro. Pessoalmente, e apenas por enquanto, é sobretudo nos meus dedos que reparo. Quando estou fora do meu gabinete, perguntem-me uma coisa interessante e puxo logo do meu Blackberry – é uma reacção física, preciso de começar a manipular a informação na ponta dos meus dedos. Ao computador é o mesmo padrão: o sinal de que estou a pensar é que estendo a mão e começo a abanar o rato. Os meus olhos e as minhas mãos já aprenderam novas maneiras de trabalhar com o meu cérebro, num processo que, para mim, é realmente uma nova maneira de pensar. O mundo da informação está mais táctil do que nunca.

Seth Lloyd, Engenheiro, MIT: Penso menos. E, quando penso, sou mais preguiçoso. Durante centenas de milhões de anos, o sexo foi a maneira mais eficiente de propagar informação de procedência duvidosa: as origens de todos aqueles fragmentos de lixo genético do ADN perderam-se nas areias da história reprodutiva. Mas a Web usurpou o lugar do sexo. Basta um download ilegal para propagar mais bocados de informação parasita do que um voo nupcial de moscas tsétsé. Por enquanto, a capacidade da Internet para propagar informação de forma promíscua é uma bênção. Mas o que acontecerá a seguir? Não me perguntem a mim. Nessa altura, espero ter parado completamente de pensar.

Lee Smolin, Físico, Perimeter Institute: Até agora, a Internet não mudou a nossa maneira de pensar. Mas alterou radicalmente o contexto do nosso pensamento e do nosso
trabalho. Dantes cultivávamos o pensamento, agora tornamo-nos caçadores-recolectores de imagens e de informação. Talvez, quando a Internet estiver soldada aos nossos óculos ou aos nossos dentes, e os ecrãs forem substituídos por lasers a desenhar imagens directamente nas nossas retinas, as mudanças sejam mais profundas.

Joshua Greene, Neurocognitivista e filósofo, Universidade de Harvard: A Internet não mudou a nossa forma de pensar mais do que o microondas mudou a nossa forma do digerir os alimentos. Deu-nos um acesso sem precedentes à informação, mas não mudou o que fazemos com ela quando a temos na nossa cabeça. Isso é assim porque a Internet (ainda) não sabe pensar. Ainda temos de o fazer nós próprios, à maneira antiga. Até isso mudar, a Internet vai continuar a ser nada mais, nada menos, do que um utilíssimo, e muito estúpido, criado mudo.

Tom Standage Editor do Economist: A Internet não mudou a minha maneira de pensar. O que sim fez, porém, foi agudizar a minha memória. Uma rápida pesquisa de palavras chave bem escolhidas costuma ser sufi ciente para transformar a minha fraca reminiscência de qualquer coisa numa recordação perfeita da informação em causa. Isto é útil agora e vai tornar-se ainda mais útil quando, ao envelhecer, a minha memória fi car menos fi ável. No futuro, talvez o mesmo aconteça com a forma como a Internet aumenta as nossas faculdades mentais."

Essa internet que vamos fazendo todos os dias. Quando for grande...

posted by Luís Miguel Dias quinta-feira, janeiro 14, 2010

Powered by Blogger Site Meter

Blogue de Luís Dias
A montanha mágica YouTube

vídeos cá do sítio publicados no site do NME

Ilusões Perdidas//A Divina Comédia


Google Art Project

Assírio & Alvim
Livrarias Assírio & Alvim - NOVO
Pedra Angular Facebook
blog da Cotovia
Livros &etc
Relógio D`Água Editores
porta 33
A Phala
Papeles Perdidos
O Café dos Loucos
The Ressabiator

António Reis
Ainda não começámos a pensar
As Aranhas
dias felizes
there`s only 1 alice
menina limão
O Melhor Amigo
Hospedaria Camões
Bartleby Bar
Rua das Pretas
The Heart is a Lonely Hunter
primeira hora da manhã
contra mundum
Os Filmes da Minha Vida
Poesia Incompleta
Livraria Letra Livre
Kino Slang
sempre em marcha
Pedro Costa
Artistas Unidos
Teatro da Cornucópia

Manuel António Pina
Rui Tavares
31 da Armada

Discos com Sono
Voz do Deserto
Ainda não está escuro
Provas de Contacto
O Inventor
Ribeira das Naus
Vidro Azul
Sound + Vision
The Rest Is Noise
Unquiet Thoughts

Espaço Llansol
Bragança de Miranda
Blogue do Centro Nacional de Cultura
Blogue Jornal de Letras
letra corrida
Letra de Forma
Revista Coelacanto

A Causa Foi Modificada
Almocreve das Petas
A natureza do mal
A Terceira Noite
Bomba Inteligente
O Senhor Comentador
Blogue dos Cafés
cinco dias
João Pereira Coutinho
Linha dos Nodos
Life is Life
Mood Swing
Os homens da minha vida
O signo do dragão
O Vermelho e o Negro
Pastoral Portuguesa
Poesia & Lda.
Vidro Duplo
Quatro Caminhos
vontade indómita
Arts & Letters Daily
Classica Digitalia
biblioteca nacional digital
Project Gutenberg
First Things
The Atlantic
El Paso Times
La Repubblica
BBC News
Folha de S. Paulo
Harper`s Magazine
The Independent
The Nation
The New Republic
The New York Review of Books
London Review of Books
The Spectator
The Times Literary...
The New Criterion
The Paris Review
Vanity Fair
Cahiers du cinéma
all music guide
Flannery O'Connor
Bill Viola

Destaques: Tomas Tranströmer e de Kooning
e Brancusi-Serra e Tom Waits e Ruy Belo e
Andrei Tarkovski e What Heaven Looks Like: Part 1
e What Heaven Looks Like: Part 2
e Enda Walsh e Jean Genet e Frank Gehry's first skyscraper e Radiohead and Massive Attack play at Occupy London Christmas party - video e What Heaven Looks Like: Part 3 e
And I love Life and fear not Death—Because I’ve lived—But never as now—these days! Good Night—I’m with you. e
What Heaven Looks Like: Part 4 e Krapp's Last Tape (2006) A rare chance to see the sell out performance of Samuel Beckett's critically acclaimed play, starring Nobel Laureate Harold Pinter via entrada como last tapes outrora dias felizes e agora MALONE meurt________

São horas, Senhor. O Verão alongou-se muito.
Pousa sobre os relógios de sol as tuas sombras
E larga os ventos por sobre as campinas.

Old Ideas